Iguanas

 

Classificação

Iguanidae

Nome Científico

Iguana iguana

Origem

América Central e do Sul, incluindo o Brasil do norte de Minas Gerais e Mato Grosso do Sul até Nordeste e Amazônia.

Terrário e Abrigo

No mínimo o dobro do comprimento do corpo do animal; para um exemplar adulto 300 X100X 200 cm, ou seja, terrário considerado alto uma vez que é animal arborícola e irá procurar sempre escalar troncos, paredes, galhos etc. Terrários internos para animais jovens são viáveis mas não para adultos. Amplos bebedouros ou piscinas são adequados pois gosta de entrar na água.

Exercício e Repouso

Animais silvestres não são brinquedos nem máquinas. Conforme o horário do dia, estação do ano, idade, prenhes etc, sua atividade varia bem como os períodos de repouso e ambos devem ser respeitados. A soltura vigiada em recintos maiores que seus terrários, o fornecimento de alimentos vivos incentivando seu instinto de caça, elementos de decoração que induzam ao exercício tais como rochas, troncos, rampas, túneis etc e a não manipulação quando estiver dormindo ou em repouso, após refeições, em períodos antes de postura, na muda de pele etc, são práticas que farão seu animal viver melhor.

Iluminação/Insolação

A luz solar produz, entre outras, radiação ultra-violeta do tipo UVA e UVB indispensáveis à saúde do seu animal; a radiação ultra-violeta UVA estimula o apetite, a atividade e o comportamento reprodutivo, realçando as cores do seu animal; a radiação ultra-violeta UVB é importante para a produção de vitamina D³, sintetizada na pele dos animais e influi na absorção do cálcio, nas funções metabólicas e no crescimento. Lembre-se de, ao expor ao sol, sempre dar a opção de sombra ao seu animal, evitando locais que possam super-aquecer. Também é preciso lembrar do foto-período, ou seja a sucessão dia/noite, que é preciso respeitar. Caso você não possa expor seu animal à luz solar natural existem no comércio as lâmpadas fluorescentes (lineares ou compactas) de ultra-violeta, em várias potências e tamanhos.

Temperatura

Os répteis são animais ectotérmicos, isto é, não produzem seu próprio calor dependendo da temperatura externa para atingirem o grau necessário para suas funções vitais. Na Natureza o Sol, mais uma vez, é a principal fonte de calor aquecendo diretamente ou se acumulando em rochas, no solo etc. Existem no comércio lâmpadas de produção de calor, de várias marcas e potências, com ou sem emissão de luz visível, aquecedores cerâmicos, placas aquecidas , pedras aquecidas e cabos de aquecimento. Devemos lembrar do gradiente termal, ou seja, oferecer-se várias temperaturas em diversos locais do terrário para que o animal possa escolher a que melhor lhe convier.
A temperatura ideal para este animal é de 27 a 32ºC caindo à noite para 24 a 27ºC e pode ser medida através de termômetros digitais ou analógicos e controlada por termostatos e temporizadores ("timers"). Pedras de aquecimento são apreciadas após as refeições de vegetais.

Umidade

O grau de umidade influi na saúde do animal, na troca de pele (ecdise), respiração etc.
Existem no comércio equipamentos para incremento da umidade tais como nebulizadores ("foggers"), borrifadores ("misting machines"), gotejadores ("drippers"), cascatas artificiais, sprays manuais ou simples piscinas para terrário.
A umidade ideal para este animal é de 60 a 80%.

Alimentação

Na alimentação de répteis deve ser observada a proporção 2:1 em cálcio e fósforo. Os jovens iguanas são onívoros e gostam também de insetos; os adultos são quase totalmente herbívoros e comem frutas, legumes, verduras, flores e um mínimo de proteína animal.

Exemplos:

  • Frutas: banana com casca, melão, maçã, mamão, amora, papaia, kiwi, manga, cereja, pêssego, pêra, morango, nectarina, uva etc;
  • Legumes: ervilha, brócolis, abóbora, moiashi, alfafa, beterraba, vagem, cenoura, abobrinha, batata-doce, quiabo, trigo, soja, cevada, repolho, pepino etc;
  • Verduras: escarola, couve, espinafre, almeirão, mostarda, agrião, hortelã etc;
  • Flores: dente-de-leão, hibisco, rosa etc;
  • Proteínas animais: frango, neonatos, grilos, rações úmidas para gatos, tenébrios etc, correspondendo a menos de 1% do total.
  • Vegetais que devem ser racionados: banana, brócolis, milho, uva, pepino, alface, cogumelo fresco, abacaxi e tomate. Plantas tóxicas: azálea, begônia, figo, jasmin, tabaco, tulipa e folhas de tomate.

Fornecimento de Água

Deve ser constante e sempre limpa e, para que seja fresca, localizada longe da fonte de calor. Existem no comercio bebedouros (automáticos ou não), piscinas e cascatas artificiais.

Longevidade

Em cativeiro costumam viver em média de 10 a 15 anos.

Tamanho

De 1,5 a 1,8m em cativeiro; na natureza atinge os 2 metros sendo que 2/3 são de cauda;

Mudas de Pele

Em pedaços de pele.

Dimorfismo Sexual

Cabeça, crista dorso-nucal e poros femurais (12 a 18 de cada lado) mais desenvolvidos em machos adultos; os machos apresentam tambem manchas escuras no ventre e apresentam visível o volume dos hemipênis quando levantada a cauda.

Aspectos Sanitários das Instalações

A limpeza do terrário, de bebedouros, comedouros, objetos de decoração (pedras, troncos, plantas artificiais etc), deve ser feita com desinfetante sendo o mais barato o hipoclorito de sódio (cândida) diluído a 3% que deverá permanecer em contato com as superfícies por meia hora antes que seja removido por lavagem. A troca periódica de substrato é indispensável.

Cuidados de Trato e Manejo

Animais silvestres, mesmo nascidos em cativeiro, exigem parâmetros específicos para cada espécie no que se refere a temperatura, umidade, insolação, alimentação adequada etc.
Depois de adquiridos precisam de um período de adaptação às suas novas instalações e, só depois disto podem ser parcimoniosamente manipulados lembrando sempre que são mais interessantes para observação do que para manipulação. As iguanas aceitam bem o manuseio sendo de índole mansa exceto na época de reprodução.

Igor Prestes da Rosa
Estudante de Ciências Biológicas

 

« voltar Recomendar/Indicar este conteúdo